JULHO’22 | CASA DAS ARTES

expedição

Chegamos a Julho, último mês de programação regular antes da nossa pausa de Verão. Este mês temos alguns eventos especiais.
Abrimos o mês com o filme de férias de Éric Rohmer , O Joelho de Claire.
No dia 7 de julho, recebemos Paulo Carneiro que nos vem apresentar o seu filme Bostofrio, um documentário  onde o realizador quebra a lei do silêncio para desenterrar a história dos seus avós.
No dia 9, 16 e 23 de julho, mudamos o nosso horário das sessões de sábado para às 21h30 onde vamos exibir, numa parceria com o Parlamento Europeu, ao ar livre três filmes do Lux Filmes. Na primeira sessão exibiremos o filme português Cartas da Guerra, realizado por Ivo M. Ferreira. No dia 16, exibimos o vencedor do Lux Film Prize de 2018, Mulher em Guerra de Benedikt Erlingsson. Para fecharmos esse ciclo ao ar livre, exibe-se um nomeado do Lux Film Prize deste ano Flee, uma animação de Jonas Poher Rasmussen. A entrada, nestas sessões, é livre.
Nas nossas sessões regulares de quinta-feira, exibiremos também o mais recente filme de Apichatpong, Memória; A Ilha de Bergman, realizado pela Mia Hansen-Løve e a fechar o mês o filme autobiográfico Verão 1993 da catalã Carla Simón.

Não percam Julho, há muito para ver!

Sábado, 2 de julho | 18h00

O JOELHO DE CLAIRE
LE GENOU DE CLAIRE

Eric Rohmer

1970 | FRANÇA | FIC | 101’ | M/12

“Filme de férias” minimalista, com as cores de Matisse, e um novo sucesso de público. Jérôme, 35 anos, diplomata, passa as suas últimas férias de solteiro nas margens do Lago de Annecy. Reencontra Aurora, uma amiga, que lhe apresenta Claire e Laura, uma jovem liceal de 16 anos.

Quinta-feira, 7 de julho | 21h30

BOSTOFRIO OÚ LE CIÉL REJOINT LA TERRE

Paulo Carneiro

2019 | PT | DOC | 70’ | M/12

Sessão contará com a presença do realizador

Numa aldeia remota no interior de Portugal, um jovem realizador quebra a lei do silêncio para desenterrar a história dos seus avós. Bostofrio é composto por uma série de entrevistas, tão íntimas quanto divertidas, nas quais é o próprio realizador que se implica na acção e questiona os habitantes (muitos deles, seus familiares) sobre quem era, e como era, o seu avô. Nesta investigação, que simultaneamente observa os gestos do trabalho enquanto puxa pela língua das gentes, levanta-se o véu de uma ruralidade ainda cheia de segredos e meias verdades.

Sábado, 9 de julho | 21h30*

CARTAS DA GUERRA

Ivo M. Ferreira

2016 | PT | FIC | 105’ | M/12

Sessão de cinema ao ar livre integrado no ciclo “LUX FILMES no JARDIM”, uma iniciativa do parlamento europeu

1971. António vê a sua vida brutalmente interrompida quando é incorporado no exército português, para servir como médico numa das piores zonas da guerra colonial – o Leste de Angola. Longe de tudo que ama, escreve cartas à mulher à medida que se afunda num cenário de crescente violência. Enquanto percorre diversos aquartelamentos, apaixona-se por África e amadurece politicamente. A seu lado, uma geração desespera pelo regresso. Na incerteza dos acontecimentos de guerra, apenas as cartas o podem fazer sobreviver.

Quinta-feira, 14 de julho | 21h30

MEMÓRIA

Apichatpong Weerasethakul

2021 | COL/ TAI/ FR/ AL/ MÉX/ QTR/ UK/ CHI/ SUÍ |  FIC | 136′ | M/12

Desde que um dia ao amanhecer  foi surpreendida por um forte estrondo, que Jessica não consegue dormir.

De visita à irmã, Jessica torna-se amiga de Agnes, uma arqueóloga que estuda vestígios humanos descobertos na construção de um túnel.

Jessica visita Agnes no local das escavações, numa pequena cidade da montanha. Junto ao rio, encontra Hernan, um pescador com quem partilha memórias. À medida que o dia se aproxima do fim, Jessica começa a recuperar o sentido da audição.

Sábado, 16 de julho | 21h30*

MULHER EM GUERRA

KONA FER Í STRÍÐ

Benedikt Erlingsson

ISLÂNDIA/FR/UCRÂNIA | 2018 | FIC 101’

Sessão de cinema ao ar livre integrado no ciclo “LUX FILMES no JARDIM”, uma iniciativa do parlamento europeu

O filme vencedor da 12.ª edição do Prémio Lux conta a história de Halla, uma ecologista de 50 anos em Reiquiavique, que decide enfrentar a indústria do alumínio num ato de justiça solitária, em prol da defesa do ambiente e contra o aquecimento global. Começa então a sabotar as linhas de alta tensão para paralisar a fábrica, mas a notícia de que foi aceite para adoção de uma criança na Ucrânia abala os seus planos.

Quinta-feira, 21 julho | 21h30

A ILHA DE BERGMAN

BERGMAN ISLAND 

Mia Hansen-Løve

França / Bélgica / Alemanha / Suécia | 2021 | FIC | 112’ 

Durante os meses de Verão, Chris e Tony, um casal de realizadores norte-americanos, arrendam uma casa na pequena ilha de Faro, no Mar Báltico, famosa por ter servido de cenário a algumas das mais importantes obras de Ingmar Bergman, o aclamado cineasta sueco, que ali viveu e morreu. A ideia é encontrar a inspiração de que precisam para trabalhar nos argumentos que têm em mãos. Com a passagem dos dias, influenciados pela paisagem natural e, quem sabe, pelo génio de Bergman, as suas vidas vão-se misturando com as das personagens por eles inventadas, esbatendo lentamente a linha do que é real e ficcional. 

Sábado, 23 de julho | 21h30*

FLEE – A FUGA

Jonas Poher Rasmussen

DIN/FR / SUÉCIA/ NOR /  EUA, ESLOVÉNIA / ESTÓNIA/ ES/ IT / FINLÂNDIA | 2021 | FIC/ANI | 83’

Sessão de cinema ao ar livre integrado no ciclo “LUX FILMES no JARDIM”, uma iniciativa do parlamento europeu

Amin era menor quando chegou à Dinamarca sozinho, vindo do Afeganistão. Hoje, com 36 anos, é um académico de sucesso e está noivo do seu namorado de longa data. Mas esconde um segredo há mais de 20 anos, que começa a ameaçar arruinar a vida que construiu para si. Amin, pela primeira vez, partilha a sua história com um amigo chegado.

Um documentário feito na primeira pessoa, em jeito de entrevista, FLEE – A FUGA empurra os limites do género retratando a experiência de um refugiado através de uma animação, para apresentar um livro de memórias comoventes.

Quinta-feira, 28 de julho | 21h30

VERÃO 1993

ESTIU 1993

Carla Simón

ESPANHA | 2017 | FIC | 93’


Espanha, Verão de 1993. No comovente filme auto-biográfico de Carla Simón, após a morte dos seus pais, Frida, de seis anos, enfrenta o primeiro Verão com a sua nova família adoptiva, na Catalunha. Antes do fim da estação, a menina tem de aprender a lidar com as suas emoções e os pais adoptivos têm de aprender a amá-la como se fosse filha deles. Marcado por momentos de exuberância infantil e pensamentos amadurecidos, este drama de crescimento, passado entre tonalidades veranis, é um retrato extraordinariamente enternecedor de como ser criança num mundo de adultos, assente nos desempenhos impecáveis das duas jovens estrelas.

Rua Ruben A, nº210, 4150-639, Porto

*As sessões de 9, 16 e 23 de julho tem entrada livre

bilhete normal: 3,5€ | bilhete estudante / +65 anos: 2,5€ | bilhete sócio CCP: 0,5€

A bilheteira abre meia-hora antes de cada sessão.

Não se fazem reservas.