MAIO 2017 | CASA DAS ARTES

CINEMA NA CASA DAS ARTES

SALA HENRIQUE ALVES COSTA

maio

persona verité

(a verdade da representação)

Este mês é dedicado a momentos marcantes da vida de personalidades, fugindo aos cânones mais tradicionais dos filmes biográficos. Os filmes que se inserem neste ciclo retratam momentos icónicos ( como no caso de “Jackie” do chileno Pablo Larraín, que retrata os momentos logo a seguir ao assassinato de John F. Kennedy ou no “Life” do famoso fotografo Anton Corbijn que conta a história por detrás da famosa fotografia de James Dean em Times Square ou até “O Divã de Estaline” de Fanny Ardant como uma interpretação memorável de Gerard Depardieu ) ou momentos finais ( como o “Pasolini” de Abel Ferrara que narra o último dia de vida do polémico realizador ou “A Morte de Luís XIV” de Albert Serra que como indica o título relata os momentos finais do Rei Sol) de individualidades que marcaram e transformaram o nosso imaginário nas mais variadas áreas. Retratando-os na dicotomia do ícone versus o homem.

Do cinema português trazemos dois documentários, o primeiro de Botelho sobre Oliveira. “Cinema, Manoel de Oliveira e eu” a homenagem em forma de filme feita a um dos maiores realizadores portugueses. E por fim exibiremos o documentário de Nelson Guerreiro e Pedro Fidalgo sobre José Mário Branco “ Mudar de vida”.

Assim será Maio na Casa das Artes.

No último sábado, dia 27 de maio, não teremos, excepcionalmente, sessão, dado a sala estar indisponível .

CCP_05-2017_Cartaz_PRINT

QUINTA-FEIRA | 04 DE MAIO | 21H30

LIFE

Anton Corbijn

EUA | 2015 | FIC | 111′ | M/12

O jovem fotógrafo Dennis Stock tenta aproximar-se do ator em ascensão James Dean, para conseguir um grande destaque para a revista LIFE. Contudo, quando James não está relutante, ele é caótico, alegre, brincalhão e desobediente. E quando Dennis não está irritado, fica exasperado, a tentar conseguir que o esquivo James Dean se concentre ou simplesmente apareça. Para fotografarem as raízes do ator, trocam a energia frenética de Nova Iorque pela quinta onde James cresceu, no Indiana. Dennis acha que está a fotografar uma estrela no momento em que esta vai cair; e, de facto, está a documentar os últimos momentos de intimidade e simplicidade que James Dean vai conhecer. Entre a viagem de Hollywood para Nova Iorque e de Nova Iorque para o Indiana, um profundo afeto e uma amizade improvável vai-se gradualmente desenvolvendo entre os dois jovens.

SÁBADO | 06 DE MAIO | 18H00

JACKIE

Pablo Larraín
EUA | 2016 | FIC | 97′ | M/12

Jacqueline Kennedy (Natalie Portman) tinha apenas 34 anos quando seu marido foi eleito presidente dos Estados Unidos. Elegante, chique e inescrutável, tornou-se instantaneamente num ícone, uma das mulheres mais famosas do mundo, com o seu gosto pela moda, decoração e artes amplamente admirado.

Mas a 22 de novembro de 1963, durante uma viagem de campanha a Dallas, John F. Kennedy é assassinado – e o fato cor-de-rosa de Jackie é manchado com o sangue do marido. Ao embarcar no Air Force One de volta a Washington, o mundo de Jackie – incluindo sua fé – está completamente destruído. Traumatizada e transtornada, enfrenta na semana seguinte o inimaginável: consolar seus dois filhos, desocupar a casa que ela cuidadosamente restaurou, e planear o funeral do marido. Jackie rapidamente percebe que os próximos sete dias determinarão como a história irá definir o legado de seu marido – e como ela própria será lembrada.

JACKIE é um retrato intransigente duma mulher tão icónica quanto misteriosa, bem como uma reflexão sobre fé, história, mitologia e perda.

QUINTA-FEIRA | 11 DE MAIO | 21H30

PASOLINI

Abel Ferrara

FRANÇA | 2013 | FIC | 86′ | M/18

Um dia, uma vida. Roma, na noite de 2 de  Novembro de 1975… O grande poeta e cineasta italiano Pier Paolo Pasolini é assassinado. Pasolini é um símbolo de uma arte que batalha contra o poder. Os seus escritos são escandalosos, os seus filmes são perseguidos pelos censores, muita gente o ama e muitos o odeiam. No dia da sua morte, Pasolini passa as últimas horas com a sua amada mãe e mais tarde com os amigos mais próximos, e finalmente sai para a noite no seu Alfa Romeo em busca de aventura na cidade eterna. Pela aurora, Pasolini é encontrado morto numa praia em Ostia nos arredores da cidade. Num filme flutuante e visionário, uma mistura de realidade e imaginação, Abel Ferrara reconstrói o ultimo dia do grande poeta.

SÁBADO | 13 DE MAIO | 18H00

O CINEMA, MANOEL DE OLIVEIRA E EU

João Botelho

PORTUGAL| 2016 | DOC | 80′ | M/12

Uma fotografia velha, de 36 anos. A mão dele no meu ombro. Bênção, dádiva. Depois, uma longa história de mais de quatro décadas de amizade, admiração e aprendizagem. Uma viagem ao cinema de Oliveira, ao seu método, ao seu modo de filmar, às suas prodigiosas invenções cinematográficas. Mais de um século de vida, mais de um século de cinema, todo o cinema. A sorte e o saber dele, a minha sorte. E como, para ele, e agora para mim, documentário e ficção vão de par, de cinema se trata, atrevi-me a filmar uma história magnífica que o Manoel amava mas que nunca filmou, que deixou para trás, como se a mão dele e os seus olhos lá perto de Deus, ou no meio dos Deuses, me conduzissem e, que ainda hoje, ele possa através de mim continuar a filmar.

QUINTA-FEIRA | 18 DE MAIO | 21H30

A MORTE DE LUIS XIV

LA MORT DE LOUIS XIV

Albert Serra

FRA/PT/ESP | 2016 | FIC | 115′ | M/12

Agosto de 1715. Ao voltar de uma caçada, Luís XIV começa a sentir uma dor na perna… Nos dias seguintes, o rei continua a cumprir os seus deveres e obrigações, mas começa a ter febres cada vez mais altas e o seu sono começa a ser cada vez mais perturbado. Ele mal come e enfraquece rapidamente. É o início da longa agonia do maior rei da França, rodeado pelos seus médicos e pela corte.

SÁBADO | 20 DE MAIO | 18H00

O DIVÃ DE ESTALINE

LE DIVAN DE STALINE

Fanny Ardant

FRA/PT/RU | 2016 | FIC | 92′ | M/12

Estaline vem descansar três dias num palacete no meio da floresta. Acompanha-o a sua amante de longa data, Lidia. No escritório onde ele dorme, há um sofá parecido com o de Freud em Londres. À noite, propõe a Lidia jogarem o jogo da psicanálise. Durante o dia, um jovem pintor, Danilov, espera ser recebido por Estaline para lhe apresentar o monumento que concebeu para a sua glória. Gera-se entre os três uma ligação perturbada, perigosa e perversa. O desafio é sobreviver ao medo e à traição.

QUINTA-FEIRA | 25 DE MAIO | 21H30

MUDAR DE VIDA – José Mário Branco, vida e obra

Nelson Guerreiro e Pedro Fidalgo

PORTUGAL | 2014 | DOC | 115′ | M/12

José Mário Branco, músico, compositor, poeta, ativista, cronista e produtor musical, nasceu no Porto, a 25 de Maio de 1942. Expoente máximo da canção de intervenção portuguesa, foi perseguido pela PIDE até ter sido obrigado a exilar-se em França, em 1963. Só em 1974, já depois da Revolução dos Cravos, pôde regressar a Portugal, fundado o Grupo de Ação Cultural – Vozes na Luta, com o qual gravou dois álbuns. Enquanto interveniente em concertos ou álbuns editados, como cantautor ou como responsável por arranjos musicais, trabalhou e influenciou vários outros artistas portugueses, nomeadamente José Afonso, Sérgio Godinho, Luís Represas, Fausto Bordalo Dias ou, mais recentemente, Camané.

Este documentário, rodado ao longo de dez anos, conta com a assinatura de Nelson Guerreiro e Pedro Fidalgo. Tal como o título indica, traça um retrato de José Mário Branco enquanto homem e artista. O filme está dividido em duas partes: a primeira, mais biográfica, contextualiza a situação política de Portugal antes e depois do 25 de Abril de 1974, destacando o ativismo político que obrigou o artista ao exílio; a segunda mostra a importância dos seus ideais revolucionários na sua expressão artística. 

 

SÁBADO | 27 DE MAIO | 18H00

NÃO HAVERÁ SESSÃO POR INDISPONIBILIDADE DE SALA.

Bilhete Normal: €3.50 | Bilhete Estudante e +65anos: € 2.50 | Bilhete Associado Cineclube do Porto: €0.50

A bilheteira abre 30 minutos antes de cada sessão.

Advertisements