CASA DAS ARTES | ABRIL 2016

CCP_04-2016_Cartaz_PRINT

Em abril, o Cineclube festeja 71 anos de existência. Celebra também as várias cinematografias do mundo, oferecendo na programação filmes de todos os continentes.

Na semana dos festejos do aniversário, apresentamos 2 grandes clássicos do cinema : “Johnny Guitar” de Nicolas Ray e “Scarface” de Howard Hawks, para celebrar o 71º aniversário do Cineclube.

Na mesma semana será também​ ​inaugurada a exposição Cinema Gráfico – os programas do Cineclube do Porto, na Cooperativa Árvore (R. De Azevedo De Albuquerque 1, 4050-366 Porto, Portugal). Nesta exposição serão expostas reproduções de 6 capas de programas criadas na década de 50 ​dos artistas: Adelino​ ​Felgueiras​;​ Alice Sousa;​ ​Ângelo de Sousa;​ ​António Bronze;​ ​Armando Alves;​ ​Manoel Pinto;​ ​Pedro Ramalho​.​

Esta exposição​ (13 a 26 de Abril)​ ​marca também o lançamento de uma edição das várias gravuras que estará à venda para o público em geral​, quer individualmente, quer em coleção​.

Do continente as​iático apresentam-se dois dos maiores realizadores atuais: Hou Hsiao-Hsien com o filme “A Assassina”; ( vencedor do prémio de melhor realização no festival de Cannes 2015) e Apichatpong Weerasethakul com o documentário “Mekong Hotel”.

Destaca-se, da​ ​América do Sul,​ ​o regresso de Patricio Guzmán com​ “O Botão de Nácar”, realizado 5 anos após “Nostalgia da Luz”, exibido no passado mês de​ ​fevereiro no Cineclube do Porto.

O filme australiano “A Modista”​ ​de Jocelyn Moorhouse e o oscarizado “Filho de Saul”​ ​de László Nemes​ ​completam os destaques da programação de abril que encerra com as exibições do último filme de João Nicolau, “John From” e do filme do realizador marroquino Nabil Ayouch: “Os Cavalos de Deus”.

FOTO CAPA FB abril

sábado, 2 abril, 18h00

O FILHO DE SAUL

SAUL FIA

LÁSZLÓ NEMES

HUNGRIA| 2015 | FIC | 107’| M/16

Saul Ausländer é um membro húngaro do Sonderkommando, o grupo de prisioneiros judeus isolados do campo de concentração e forçados a dar apoio aos Nazis no processo de extermínio em larga escala. Durante os trabalhos num dos crematórios, Saul descobre o corpo de um rapaz que ele reconhece como sendo o seu filho.

Enquanto os Sonderkommando planeiam uma revolta, Saul fica obcecado com uma missão impossível: salvar o corpo do rapaz de uma autopsia e encontrar  um rabino para lhe recitar as orações Kaddish e realizar o funeral.

Quinta-feira, 7 abril, 21h30

A ASSASSINA

NIE YIN NIANG

Hou Hsiao-Hsien

TAIWAN/CHINA/HONG KONG/FR | 2015 | FIC | 105’ | M/ 12

China, Século IX.

Nie Yinniang, a filha de 10 anos de um general, é raptada por uma freira, que a inicia nas artes marciais, transformando-a numa implacável assassina, responsável por matar cruéis e corruptos governadores locais. Um dia, após falhar uma missão, é enviada pela preceptora para a sua terra natal, com ordem para matar o homem a quem  tinha sido prometida – um primo que agora lidera uma grande região militar no Norte da China. 

Depois de 13 anos de exílio, a jovem mulher terá de confrontar os pais, as suas memórias e os sentimentos que, durante tanto tempo, reprimiu. 

Sábado, 9 abril, 18h

A MODISTA

THE DRESSMAKER

Jocelyn Moorhouse

AUSTRÁLIA | 2015 | FIC | 118′| M/12

Depois de muitos anos de exílio, Myrtle Tilly regressa à pequena cidade onde nasceu, na Austrália, para cuidar da mãe idosa, que se encontra muito doente. Tilly tinha saído dali muito jovem, devido a falsas acusações de assassinato. Hoje ela é uma mulher sofisticada que aprendeu os segredos da alta-costura com Madeleine Vionnet, uma das mais famosas costureiras de Paris (França). Agora, recorrendo aos seus dotes artísticos, Tilly decide transformar a visão dos habitantes da cidade mostrando, às pessoas que tanto mal lhe fizeram, que a vingança é doce e sabe ainda melhor se for servida fria…

Estreado no Festival de Cinema de Toronto (Canadá), uma comédia em estilo “western” que se baseia no “best-seller” – e obra de estreia – da escritora australiana Rosalie Ham. A realização é da responsabilidade de Jocelyn Moorhouse.

Quinta-feira, 14 abril, 21h30

JOHNNY GUITAR

Nicholas Ray
EUA | 1954 | FIC | 110′

Oportunidade para ver ou rever uma obra-prima de Nicholas Ray, um muito amado western baptizado com o nome do seu herói, um guitarrista ex-pistoleiro, mas dominado por uma potente Vienna, a quem Joan Crawford dá corpo e alma. No tempo dos cowboys, já com os caminhos-de-ferro a fumegarem por novos trilhos, Vienna abre um belo saloon nos arredores de uma cidade do Arizona, mesmo à beira de uma planeada ferrovia, à volta da qual ela sonha erigir uma nova cidade. Só que a velha cidade quer expulsá-la dali e ela é até vítima do ódio de estimação de uma outra forte mulher, Emma. Para se proteger, Vienna requisita os serviços de Johnny Guitar, ex-pistoleiro e seu ex-amante. O envolvimento de Vienna com um assaltante de bancos, Dancin’ Kid, será o rastilho do drama.

Sábado, 16 abril, 18h

SCARFACE, O HOMEM DA CICATRIZ

SCARFACE

Howard Hawks

EUA | 1932 | FIC | 93′ | M/12

O filme definitivo do género “gangster”. Inspirado na “carreira” de Al Capone, chefe do crime de Chicago, é uma das obras máximas de Howard Hawks, uma verdadeira “sinfonia para metralhadora”. Mas é também a história de uma obsessão sexual incestuosa de Tony Camonte/Scarface pela irmã. O filme que revelou George Raft.

Quinta-feira, 21 abril, 21h30

O BOTÃO DE NÁCAR

EL BOTÓN DE NÁCAR

Patricio Guzmán

FRA/AFEG/ESP/CHILE | 2015 | DOC | 82′

O oceano contém toda a história da Humanidade, as vozes da terra e as que vêm do espaço. A água é também a maior fronteira do Chile e guarda o segredo de dois botões que foram encontrados nas suas profundezas. Com 2670 milhas de costa, o Chile é o maior arquipélago do mundo e tem paisagens espectaculares: vulcões, montanhas e glaciares. Também aí se ouvem as vozes dos primeiros indígenas da Patagónias, os primeiros colonos ingleses e as dos prisioneiros políticos. Alguns dizem que a água tem memória. Este filme mostra que também tem voz.

Sábado, 23 abril, 18h

MEKONG HOTEL

Apichatpong Weerasethakul

TAI/GB | 2012 | DOC | 61′

Um retrato do dia-a-dia de um hotel nas margens do rio Mekong, que faz fronteira entre a Tailândia e o Laos, a região onde foi filmado “O Tio Boonmee Que se Lembra das Suas Vidas Anteriores”. Nos quartos e no terraço daquele lugar, o realizador constrói um documentário a que vai adicionando algumas cenas de “Ectasy Garden”, um filme inacabado sobre uma mulher e a sua filha, dois amantes e o rio.

Com argumento e realização de Apichatpong Weerasethakul (“Febre Tropical”, “O Tio Boonmee…”), foi apresentado na edição de 2012 do Festival de Cinema de Cannes.

Quinta-feira, 28 abril, 21h30

JOHN FROM

João Nicolau

PT | 2015 | FIC | 100′

Rita tem tudo. Tem 15 anos e o Verão à sua frente. Molha o chão da varanda e chapinha enquanto apanha valentes banhos de sol. Tem um ex-futuro namorado e o presente infalível da sua melhor amiga. Faz tranças e tem festas onde mostrá-las.

Muito naturalmente, de Portugal ao Pacífico Sul, esta fortaleza desaba com doçura quando a adolescente vê a exposição que um novo vizinho apresenta no centro comunitário do bairro.

Sábado, 30 abril. 18h

LES CHEVAUX DE DIEU 

Nabil Ayouch

MARROCOS/FR/BG/TU | 2012 | FIC | 115′ | M/12

A 16 de Maio de 2003, cinco atentados terroristas simultâneos são registados no centro da cidade de Casablanca, Marrocos, causando 45 mortos e várias dezenas de feridos. Os bombistas suicidas pertenciam a bairros de lata da zona de Sidi Moumen. Este filme segue a história de quatro amigos que, numa tentativa de fugir à miséria do seu bairro, são seduzidos por um fundamentalista islâmico, pertencente ao Grupo Islâmico Combatente Marroquino (GICM), a aderirem às suas crenças religiosas e políticas. Assim, jovens cujas vidas estavam destinadas à pobreza e infortúnio são atraídos por uma religião que oferece, para além de esperança e companheirismo, a disciplina e a orientação de que precisavam.

Filme de Nabil Ayouch, realizador marroquino, que apresenta este ano o filme MUITO AMADAS.

Bilhete Normal: €3.50 | Bilhete Estudante e +65anos: € 2.50 | Bilhete Associado Cineclube do Porto: €0.50
A bilheteira abre 30 minutos antes de cada sessão.
Clube Português de Cinematografia – Cineclube do Porto
ccp@cineclubedoporto.pt | facebook.com/cineclubedoporto | cineclubedoporto.wordpress.com
Casa das Artes – Sala Henrique Alves Costa | Rua de Ruben A. 210, 4150-639 Porto | T. 220 116 350

 

Anúncios