ABRIL | CASA DAS ARTES | 70 ANOS A CELEBRAR O CINEMA

O Cineclube do Porto celebra em Abril o seu 70º aniversário, uma data muito importante porque revela a capacidade de persistência, adaptação e renovação de uma associação que tem tido um papel importante no Cinema Português e no Cinema na cidade do Porto.
Por ser uma data tão importante a programação será marcada por filmes e realizadores fundamentais que se organizam em torno do tema O Cinema sobre o Cinema.
abril capa

Quinta-feira, 02 de abril | 21h30

FAUSTO

FAUST
F.W. Murnau
ALE | 1926 | FIC | 107′ | M/12

O mito de Fausto adaptado da obra de Goethe. “Faust” é o apogeu do expressionismo alemão num magistral combate entre a luz e as trevas, o anjo do bem e do mal. Jannings é um inesquecível Mefistófeles e o filme de Murnau a quintessência do cinema fantástico.  Fausto foi também o último filme de Murnau na Alemanha antes de partir para Hollywood fazer o Sunrise.

 

 

Sábado, 4 de abril| 18h00

VIAGEM A LISBOA

LISBON STORY

Wim Wenders

PT/ALE | 1994 | DOC | 100′ | M/12

Viagem a Lisboa trata-se de uma experiência de Wenders, onde tenta fazer uma viagem poética por Lisboa, ao mesmo tempo que faz uma reflexão sobre a natureza do cinema, sobre o valor da imagem e do som. Phillip Winter (Rüdiger Vogler) é um sonoplasta alemão que acede ao pedido de um amigo, realizador de cinema, para se deslocar a Lisboa para ajudar a acabar um filme. Winter não encontra o amigo mas descobre uma cidade fascinante e dedica-se a gravar os seus sons, cruzando-se com uma série de personalidades portuguesas, como os elementos dos Madredeus ou o realizador Manoel de Oliveira. Destaque para a banda sonora dos Madredeus.

 

 

Quinta-feira, 09 de abril | 21h30

( exibição inserida no 8 ½ – Festival de Cinema Italiano)

IL GIOVANE FAVOLOSO

Mario Martone

IT | 2014 | FIC | 137′ | M/12

Il giovane favoloso, de Mario Martone põe em cena a vida e as mais célebres poesias do grande poetaitaliano Giacomo Leopardi.

Em competição no Festival de Veneza, foi igualmente um grande sucesso de bilheteira em Itália. Giacomo Leopardi, soberbamente interpretado por Elio Germano, é uma criança dotada de uma inteligência extraordinária. Cresce debaixo do olhar severo do pai, o Conde Monaldo, num nobre palácio da província das Marche, em Recanati. Estamos no início do século XIX e o jovem Leopardi passa os seus dias dentro da grande biblioteca do pai: lê as mais diversas coisas, estuda e escreve, mas o universo continua lá fora.

A Europa, o mundo estão em ebulição, sopram ventos revolucionários e Leopardi procura desesperadamente contacto com a realidade exterior.

 

 

Sábado, 11 de abril | 18h00

( exibição inserida no 8 ½ – Festival de Cinema Italiano)

INCOMPRESA

Asia Argento

IT/FR | 2014 | FIC | 103′ | M/12

Corajoso e autobiográfico afresco pop, Incompresa de Asia Argento é um retrato de uma infância surreal e, por vezes, perturbadora na Itália dos anos 80. Aria é uma criança de nove anos que vive com os pais – ambos artistas – em vias de separação e duas meias- -irmãs. Existe um abismo entre Aria e o resto do mundo que ela habita, o que faz com que se encontre sozinha, rejeitada e afastada por toda a gente. É então que Aria pega na sua trouxa às riscas e no seu gato preto e parte numa viagem sem destino. Com atores de relevo como Charlotte Gainsbourg no papel da detestável mãe e uma banda sonora de culto, Incompresa foi o filme italiano selecionado na secção Un certain regard da 67a edição do Festival de Cannes.

 

 

Sexta-feira, 17 de abril *| 21h30

ONDE JAZ O TEU SORRISO?

Pedro Costa

com a Presença do Realizador

PT | 2011 | DOC | 104′ | M/12

No momento da montagem da terceira versão de “Sicília!” por Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, Pedro Costa fechou-se com os dois cineastas na sala de montagem, filmando cada momento do processo. O resultado é uma lição de cinema e também uma homenagem aos autores de “Sicília”, o penúltimo filme de Straub e Huillet e uma das raras obras dos cineastas a ter distribuição comercial em Portugal. O filme já foi apresentado no canal franco-alemão Arte, numa versão curta e estreia agora em simultâneo em Portugal e França, onde foi aplaudido pela crítica.

* a sessão regular de quinta muda para sexta-feira para possibilitar a vinda do realizador.

 

Sábado, 18 de abril| 18h00

JOÃO BÉNARD DA COSTA

OUTROS AMARÃO AS COISAS QUE EU AMEI

Manuel Mozos

com a presença do realizador

PT | 2014 | DOC | 75′ | M/12

Através de uma conversa com João Bénard da Costa e das suas ideias sobre o cinema português, estabelece-se uma interacção entre a construção do documentário e as imagens e sons de excertos de alguns filmes. Apesar das dificuldades, os filmes continuam a existir e a resistir. Valerá a pena? O que aconteceria se eles desaparecessem? Cada espectador deve encontrar a sua resposta.

 

 

Quinta-feira, 23 de abril | 21h30

F FOR FAKE

Orson Welles

EUA | 1973 | DOC | 89′ | M/12

Um dos mais insólitos filmes de Orson Welles, fabulosa incursão no mundo da ilusão, da fraude e da mentira. Welles “prestidigitador”, mestre de Maria, traz até nós a presença de falsificadores célebres, na pintura (Elmyr de Hory), e na escrita (Clifford Irving, autor de uma falsa autobiografia de Howard Hughes), e mostrando como o cinema é a arte suprema dessas ilusões e mentiras.

 

 

Sábado, 25 de abril | 18h

QUE FAREI EU COM ESTA ESPADA?

João César Monteiro

PT | 1975| DOC| 65′ | M/12


As manifestações operárias contra a presença de Portugal na NATO; sobre as águas do Tejo, “pairam” navios aliados, entre eles o porta-aviões “Saratoga”. Nosferatu – o vampiro de Murnau, símbolo da tirania – desembarca, ameaçador. A partir da inserção política, feitos “positivos” da realidade portuguesa – ligados à actividade dos trabalhadores (construção naval – Lisnave, vida agrária – Alentejo) – são postos em paralelo com tipos de existência marginal (Cais do Sodré – prostituição e vadiagem). Influência do capitalismo interior e forças imperialistas internacionais, ou dum certo tipismo da mentalidade e moral conservadora.

“O autor, a pretexto de um alegado perigo de intervenção da NATO, ou dos Americanos, encenou uma visão espectral do País, com colagens do “Nosferatu” de Murnau e citações da “Butterfly”. É talvez o mais delirante e fantasmagórigo de quantos filmes políticos se fizeram, mas é uma fascinante proposta de imaginário expressionista e ultra-romântico aplicado à revolução portuguesa.”

João Bénard da Costa

 

 

Quinta-feira, 30 de abril | 21h30

O DESPREZO

LE MÉPRIS

Jean-Luc Godard

Vagamente inspirado no romance de Moravia, Le Mépris constrói-se em torno de uma reflexão sobre o cinema, onde “um travelling é uma questão de moral”. É também uma homenagem ao cinema clássico, com a presença de Fritz Lang no papel de um artista imperturbavelmente resistente ao comercialismo reinante no mundo cinematográfico. Godard tem uma aparição discreta como assistente de realização de Lang na produção desse filme que parte de Homero e que se desenvolve num décor mediterrânico, traçando um paralelo entre o mundo dos deuses e o mundo dos homens.

 

 

Bilhete Normal: €3.50 | Bilhete Estudante e +65anos: 2.50 | Bilhete Associado Cineclube do Porto: €0.50*

A bilheteira abre 30 minutos antes de cada sessão.

Clube Português de Cinematografia – Cineclube do Porto | T. 927 476 519

ccp@cineclubedoporto.pt | facebook.com/cineclubedoporto | cineclubedoporto.wordpress.com

Casa das Artes – Sala Henrique Alves Costa | Rua de Ruben A. 210, 4150-639 Porto | T. 226 006 152

culturanorte.pt |casadasartes.pt | facebook.com/casadasartesporto

Anúncios