CASA DAS ARTES | JANEIRO 2015

O Cineclube do Porto e a Direcção Regional de Cultura do Norte renovam para 2015 a sua colaboração para assegurar a programação regular de Cinema na casa das Artes. A experiência de 2014 leva-nos, em conjunto, a reformular os moldes em que esta tem vindo a funcionar. Mantêm-se as linhas de programação que se desenvolvem em torno do cinema contemporâneo e o cinema clássico, colocando algum enfoque no cinema português.

Em 2015 passarão a existir duas sessões semanais, em novos horários: NOVOS HORÁRIOS Quinta-feira às 21h30 Sábado às 18h ​Em contrapartida d​a redução a duas sessões semanais será feito um maior investimentos em ciclos temáticos extraordinários e na programação de filmes fora do circuito de distribuição nacional.

Em Janeiro propomos um olhar sobre o Cinema a Preto & Branco. De Chaplin a Pawlikowski, um percurso de 90 anos de cinema em que a ausência de cor não é sempre uma opção técnica, mas uma forma de contar histórias.

janeiro 2015 Quinta-feira, 08 de janeiro | 21h30

PSICO

PSYCHO

Alfred Hitchcock

EUA | 1960 | Fic | 109’ | M/12

PSYCHO é um dos maiores êxitos e o filme mais assustador de Alfred Hitchcock. Janet Leigh é Marion Crane, uma jovem que resolve hospedar-se no Motel Bates, depois de roubar uma elevada quantia de dinheiro ao patrão e fugir. Anthony Perkins é Norman Bates, o homem que dirige o motel, onde vive com uma mãe autoritária e opressora. Um detective privado e a irmã de Marion fazem tudo para a encontrar, mas o motel e a mansão ao seu lado serão o palco de um assassinato monstruoso e de uma história aterradora.  Um dos mais emblemáticos filmes do mestre do suspense.       Sábado, 10 de janeiro| 18h00

NEBRASKA

Alexander Payne

EUA | 2013 | FIC. | 115’ | M/12  

Apesar do desencanto com a vida e da sua idade avançada, Woody Grant (Bruce Dern) decide fazer uma longa viagem, de Montana ao Nebraska, para reclamar um prémio de um milhão de dólares que julga ter ganho através de uma revista. Apesar do desacordo da esposa (June Squibb) e do resto da família, que o considera demente e pondera colocá-lo num lar de idosos, David (Will Forte), o filho, decide fazer-lhe a vontade e acompanhá-lo nessa jornada, mesmo ciente da inutilidade do projecto. Assim, durante esse percurso, pai e filho acabam por romper as barreiras que os anos se encarregaram de erguer, criando laços que há muito julgavam perdidos. Em competição pela Palma de Ouro na edição de 2013 do Festival de Cannes – onde Bruce Dern arrecadou o prémio de Melhor Actor -, uma história filmada a preto e branco com assinatura de Alexander Payne (“As Confissões de Schmidt”, “Sideways”, “Os Descendentes”), segundo um argumento de Bob Nelson.     

Quinta-feira, 15 de janeiro | 21h30

O LAÇO BRANCO

DAS WEISSE BAND

Michael Haneke

AUSTRIA/FRA/ALE | 2009 | FIC. | 144’ | M/12  

acção decorre durante os 15 meses que precedem a I Guerra Mundial. A história é contada por um narrador que, tendo presenciado alguns dos factos, tenta encontrar fundamentos e justificações para os anos posteriores da História do seu país. Numa aldeia remota, no Norte da Alemanha, vários incidentes vão retirar os seus habitantes da calma monotonia a que se habituaram. Esses eventos, de grande violência, parecem ser rituais punitivos justificados pela fervorosa religião protestante. Até que o professor da aldeia (Christian Friedel) começa a tentar perceber o terrível segredo por detrás de tudo… Filmado a preto e branco, é, segundo as próprias palavras de Michael Heneke, um filme sobre “a origem de todo tipo de terrorismo, seja ele de natureza política ou religiosa”. Foi o grande vencedor da Palma de Ouro na 62.ª edição do Festival de Cannes.    

Sábado, 17 de janeiro | 18h00

O CAVALO DE TURIM

THE TURIN HORSE

Béla Tarr

ALE/HUN/SUI/FRA | 2011 | FIC. | 146’ | M/12    

Turim, 3 de Janeiro de 1889. O filósofo Friedrich Nietzsche sai de casa. Ali perto um camponês luta com a teimosia do seu cavalo, que se recusa a obedecer. O homem perde a paciência e começa a chicotear o animal. Nietzsche aproxima-se e tenta impedir a brutalidade dos golpes com o seu próprio corpo. Naquele momento perde os sentidos e é levado para casa onde permanece em silêncio por dois dias. A partir daquele trágico evento Nietzsche nunca mais recuperará a razão, ficando aos cuidados da sua mãe e irmãs até ao dia da sua morte, a 25 de Agosto de 1900. Partindo deste evento, o filme tenta recriar o percurso do camponês, da sua filha, do velho cavalo doente e a sua existência miserável. O filme, realizado pelo húngaro Béla Tarr (“Sátántangó”, “Perdição”, “O Homem de Londres”), foi o vencedor do Urso de Prata – Grande Prémio do Júri no Festival de Berlim em 2011 e é, segundo as palavras do realizador, o filme que encerra a sua carreira.     Quinta-feira, 22 de janeiro | 21h30

O GAROTO DE CHARLOT

THE KID

Charlie Chaplin

EUA| 1921 | FIC. | 60’ | M/6  

Ao sair do hospital com o seu recém-nascido nos braços, uma jovem muito pobre decide deixá-lo dentro de uma limusina estacionada em frente a uma igreja. Esperançosa de que alguém o aceite, deixa uma nota e foge, com intenção de cometer suicídio. Porém, a viatura é roubada por dois homens e, depois de uma série de peripécias, um vagabundo de bom coração não vê outra solução que não seja levar o bebé para casa e cuidar dele. Cinco anos depois, a criança e o seu pai adoptivo são inseparáveis, e o pequeno é uma ajuda preciosa no trabalho de reparação de vidros “acidentalmente” partidos. A mulher, por seu turno, que afinal sobreviveu à tentativa de pôr fim à própria vida, é hoje uma famosa cantora de ópera. A sua felicidade seria total se não vivesse o desgosto de ter abandonado o filho. Tudo o que ela deseja é reencontrar a criança. Um dia, por mero acaso do destino, os três cruzam-se na rua…  Realizada por Charlie Chaplin – que se inspira na miséria da sua própria infância –, uma comédia dramática sobre o amor que permanece uma das mais importantes referências cinematográficas de todos os tempos.

Sábado, 24 de janeiro | 18h00

UMA ABELHA NA CHUVA

Fernando Lopes

PORTUGAL | 1972 | FIC. | 66’ | M/12  

Adaptação feita pelo cineasta do romance homónimo de Carlos de Oliveira, o filme faz um retrato de um ambiente social rígido, em que as três classes que formavam o meio rural português da época – o povo, a aristocracia e a burguesia – estavam bem demarcadas. “Uma Abelha na Chuva” é um filme com influências do cinema francês dos anos 60, que conta a história de Maria dos Prazeres (Laura Soveral) e Álvaro Silvestre (João Guedes), casados e a viver num meio rural. A sua relação está longe de ser um modelo de felicidade. Entre recalcamentos, compromissos e omissões, os dois conseguem manter uma ilusão de unidade, que se irá desfazer perante conflitos, desejos, paixões e fraquezas que vão surgir.  

Quinta-feira, 29 de janeiro | 21h30

BRANCA DE NEVE

BLANCANIEVES

Pablo Berger

ESP/BEL/FR | 2012 | Fic | 104’ | M/12

1920.Sevilha, Espanha. Carmen é uma menina que cresce sob os caprichos de Encarna, a sua terrível madrasta. Até ao dia em que decide fugir com um grupo muito especial de novos amigos: uma trupe de seis anões toureiros. Seguindo o género narrativo do cinema mudo e com fotografia a preto e branco, um filme escrito e realizado pelo espanhol Pablo Berger (“Torremolinos 73”) que adapta um dos mais conhecidos contos dos irmãos Grimm. “Branca de Neve” foi o grande vencedor dos prémios Goya, arrecadando dez troféus, entre os quais os de melhores filme, realizador, actor (Daniel Giménez Cacho) e actriz (Maribel Verdú).     

Sábado, 31 de janeiro | 15h*

IDA

Pawel Pawlikowski

POL/DIN | 2013 | FIC. | 80’ | M/12  

Polónia, 1962. Anna é uma bonita jovem de 18 anos que irá em breve celebrar os votos definitivos para se tornar freira no convento onde vive desde que ficou órfã em criança. A madre obriga-a a conhecer antes da celebração dos votos a única familiar viva, a tia Wanda. Juntas, as duas mulheres embarcam numa viagem à descoberta de si próprias e do passado que têm em comum. Anna descobre que é judia e que o seu verdadeiro nome é Ida. Esta revelação leva-a a dar início a uma jornada para desvendar as suas raízes e confrontar a verdade sobre a sua família. Ida terá de escolher entre a sua identidade biológica e a religião que a salvou dos massacres provocados pela ocupação Nazi na Polónia. E Wanda terá de confrontar as decisões que tomou durante a guerra quando optou por colocar a lealdade à causa à frente da sua família.  

*  O filme foi antecipado para as 15h por estar a decorrer na mesma altura, na Casa das Artes, a Mostra de Cinema da América Latina.

Bilhete Normal: €3.50

Bilhete Estudante e +65anos: 2.50

Bilhete Associado Cineclube do Porto: €0.50

A bilheteira abre 30 minutos antes de cada sessão. _

Clube Português de Cinematografia – Cineclube do Porto | T. 927 476 519 ccp@cineclubedoporto.pt | facebook.com/cineclubedoporto | cineclubedoporto.wordpress.com
Casa das Artes – Sala Henrique Alves Costa | Rua de Ruben A. 210,  4150-639 Porto | T. 220116350 culturanorte.pt |casadasartes.pt | facebook.com/casadasartesporto
Anúncios