CASA DAS ARTES | 10, 11 e 13 DEZEMBRO 2014

Quarta-feira | 10 de dezembro | 21h30

CAVALO DINHEIRO
Pedro Costa
Portugal  | 2014 | DRA | 13’ | M/12

 

cavalo dinheiro

O mais recente filme de Pedro Costa.
Enquanto os Jovens Capitães lideram a revolução nas ruas, o povo de Fontainhas procura por Ventura, que se perdeu na floresta.

” Cavalo Dinheiro “recebeu o prémio de melhor realização no Festival de Locarno e  surge em terceiro lugar na lista de melhores do ano divulgada pela revista britânica Sight & Sound, publicação do British Film Institute. 

 

 

Quinta-feira, 11 de dezembro | 21h30

AMAR, BEBER E CANTAR
AIMER, BOIRE ET CHANTER
Alain Resnais
França  | 2014 | DRA | 108’ | M/12

 

amar, cantar e beber

 

No condado de Yorkshire, Inglaterra, três casais são abalados pela triste notícia de que George Riley, um amigo em comum, sofre de uma doença terminal e que lhe restam seis meses de vida. De forma a aliviar a dor de George e proporcionar-lhe alguma alegria nos últimos meses, os seis decidem convidá-lo para se juntar ao seu grupo de teatro amador. O que ninguém esperava era que aquela aproximação fizesse vir ao de cima muitas histórias do passado que iriam alterar a dinâmica entre cada casal. E as coisas complicam-se quando George – que, no filme, nunca chega a ser visto ou ouvido – resolve fazer uma viagem a Tenerife, Espanha. Cada uma das mulheres, determinada a marcar a diferença na vida dele, quer acompanhá-lo, deixando os seus respectivos maridos em total perplexidade…
Adaptando “Life of Riley”, uma peça de Alan Ayckbourn, esta é a derradeira obra de Alain Resnais, o celebrado realizador de “Hiroshima Meu Amor” (1959), “É Sempre a Mesma Cantiga” (1997), “Corações” (2006) e “As Ervas Daninhas” (2009), entre outros.

Sábado, 13 de dezembro | 16h00

HIROSHIMA, MEU AMOR
HIROSHIMA, MON AMOUR
Alain Resnais
FRANÇA/ JAPÃO | 1959 | FIC. | 90’ | M/12

hiroshima meu amor

Foi a longa metragem de estreia de Alain Resnais, depois de se ter dedicado durante 10 anos às curtas metragens documentais, onde já explorava conceitos presentes neste filme. “Hiroshima, Meu Amor”, cujo argumento é da autoria da escritora Marguerite Duras, era para ter sido um documentário sobre a reconstrução de Hiroshima depois da destruição provocada pelo lançamento da primeira bomba atómica da História pelos Aliados na II Guerra Mundial. Não é de admirar, portanto, que tenha evoluído para um filme que é, antes de mais, uma evocação poética do tempo e da memória, para além de uma afirmação da necessidade de esquecer acontecimentos traumáticos para continuar a viver. É um simbólico caso amoroso entre Elle (Emmanuelle Riva), uma actriz francesa a fazer um filme anti-bélico em Hiroshima, e um arquitecto japonês (Eiji Okada), que serve o argumento. Apesar de serem casados e ambos terem consciência de que o romance está condenado, continuam a encontrar-se, unidos pela evocação de experiências, que estabelecem um contraste entre o passado e o presente. Marguerite Duras foi nomeada, em 1961, para o Óscar de melhor argumento original.

Alain Resnais ganhou um prémio da Academia Britânica de Cinema, o prémio de melhor filme do Sindicato Francês de Críticos de Cinema e o de melhor filme estrangeiro do Círculo de Críticos de Cinema de Nova Iorque. 

Bilhete Normal: €3,50
Bilhete Estudante e +65 anos: €2,50
Bilhete Associado Cineclube do Porto: €0,50
A bilheteira abre 30 minutos antes de cada sessão.

Casa das Artes – Sala Henrique Alves Costa
Rua de Ruben A. 210, 4150-639– Porto
T.226 006 152

Anúncios