Sessão de 13 de Fevereiro de 2013 no Espaço Compasso

Na próxima quarta-feira, dia 13 de Fevereiro, pelas 22 h no espaço Compasso, o Cineclube apresenta o filme ” O Medo vai ter tudo” de Pedro Monteiro, que estará presente na sessão.

medo

PT | 2012 | Cor | Doc | Dig | 44’50″‘

Nos anos 60 e 70 a oposição ao regime ditatorial de Salazar começou a ter forte contributo dos movimentos associativos e estudantis.

Na cidade do Porto esses movimentos tinha na Unicepe uma espécie de refúgio. Um refúgio onde podiam respirar cultura e liberdade num país que os sufocava em repressão e obrigava a combater numa guerra colonial.

O “Medo vai ter tudo” é um documentário onde se fala da luta anti-fascista no Porto. Centrado nas vivências que deram origem à criação da Unicepe – Cooperativa Livreira, no filme fala-se também do Cineclube do Porto, da Cooperativa Árvore e de outras instituições culturais que coloriram a vida da cidade nos anos 60 e 70 do seculo XX.

Preços:

Público em geral: €3,50

Estudantes: €2,50

Sócios – €0,50

 

Sessão de 29 de Novembro de 2012

Na próxima quinta-feira, dia 29 , pelas 22h, o Cineclube do Porto apresenta o filme ” Alto do Minho” de Miguel Filgueiras no Cinema Passos Manuel.

Image

PT | 2012 | Cor | Doc | Dig | 49′ 21″
 Filme Retrato Documental sobre a identidade na região do Alto Minho

Alto do Minho, mais do que um documentário é uma impressão. Parte de terras baixas para a época alta, para mostrar diversos matizes. O antes e o depois, que são os mesmos ciclos Atlânticos imutáveis da paisagem montanhosa, apesar de tudo. E o alto. Onde o profano se confunde com a fé como o passado com a atualidade. Alto do Minho, mais do que um filme é um retrato que mexe. Relances que podem ter ao fundo o épico de Gance, mas que são uma observação etnográfica pop, à superfície do sentimento latente. Congela anónimos e paisagens de romarias, geografias em planos numa montagens impressionista, de uma subjetividade a roçar o aleatório.

 

A sessão conta com a presença do realizador 
Público em geral: €3,50
Estudantes: €2,50
Sócios – €0,50

Sessão de 14 de Novembro de 2012

Na próxima quarta-feira, dia 14 de Novembro, o Cineclube do Porto convida-o para mais uma noite de Cinema no espaço COMPASSO, no n.º 111 da Rua da Torrinha, no centro do Porto, às 22h00, com a seguinte programação:

 
BELO MONTE – ANÚNCIO de uma GUERRA
de André D’Elia
Br | 2011 | Doc | Dig | 104’
Este projeto tem como objetivo o esclarecimento do público a respeito da implantação da hidroeléctrica de Belo Monte no rio Xingu. É, portanto, um documentário que pretende questionar o modelo de desenvolvimento proposto para a Amazónia, que revela também as tendências mundiais de desenvolvimento.
Não se pretendeu fazer qualquer julgamento: certo ou errado, bom ou ruim, contra ou a favor, apenas incentivar a reflexão daqueles que se interessam de alguma forma pelos desígnios do nosso planeta: das formas de vida, das culturas, das minorias e das maiorias.
O filme foi financiado pelo próprio público.
 
À SOMBRA de um DELÍRIO VERDE
de An Baccaert, Cristiano Navarro e Nicolas Muñoz
Br/Ar/Be | 2011 | Doc | Dig | 29’
Na região Sul do Mato Grosso do Sul, o povo indígena com a maior população no Brasil, trava, quase silenciosamente, uma luta desigual pela reconquista de seu território.
Expulsos pelo contínuo processo de colonização, mais de 40 mil Guarani Kaiowá vivem hoje em menos de 1% de seu território original. Sobre as suas terras encontram-se milhares de hectares de cana-de-açúcar plantados por multinacionais que, juntamente com governantes, apresentam o etanol para o mundo como o combustível “limpo” e ecologicamente correto.
Sem terra e sem floresta, os Guarani Kaiowá convivem há anos com uma epidemia de desnutrição que atinge as suas crianças. Sem alternativas de subsistência, adultos e adolescentes são explorados nos canaviais em exaustivas jornadas de trabalho. Trabalho infantil e trabalho escravo.
No meio do delírio da febre do “ouro verde” (como é chamada a cana-de-açúcar), as lideranças indígenas que enfrentam o poder que se impõe, muitas vezes encontram como destino a morte encomendada por fazendeiros.
Preços
Público em geral: €3,50
Estudantes: €2,50
Sócios – €0,50

 

Sessão de 25 de Outubro de 2012

Nesta proxima quinta-feira, dia 25, o Cineclube apresenta no Cinema Passos Manuel às 22h, o filme Documentário Bestial do realizador Nuno Costa.

PT | 2012 | Dig | Doc Exp

 

Filme documental sobre touradas, touros, bestas e muitas outras bestialidades. 

O tema não podia ser mais atual e pertinente numa sociedade que se confronta com a defesa da tradição e a constatação da violência de um espectáculo assente no sofrimento do animal. Será que a primeira legitima a segunda? Não será altura de se dar um salto civilizacional e reconhecer a ‘bestialidade’ desta prática? 
Com narração de Adolfo Luxúria Canibal e Rui Reininho, este documentário pega (pelos cornos) uma tradição enraizada na sociedade portuguesa que, se para uns, é um símbolo inalienável da nossa cultura, para os outros, não passa de uma aberração civilizacional. O sofrimento animal, o dinheiro que é direcionado para as ganadarias, o papel da igreja nesta forma de ‘entretenimento’, a violência exercida junto das crianças, são levados para o centro da polémica, num filme em que a estrela é o touro Fadjen (e mais não dizemos neste ponto, para não estragar a surpresa) e o amor o tema central.

Nuno Costa é realizador das curtas-metragens Lucy (vencedora de Março de 2010 no Shortcutz Lisboa e nomeada para melhor filme na 1.ª edição dos Prémios Shortcutz) e Gerações à Rasca; é autor do livro de investigação “Parapsicologia, Entre a Crença e a Ciência” e trabalha como jornalista no programa Rumos (dedicado à lusofonia) da RTP África

Público em geral: €3,50
Estudantes: €2,50
Sócios – €1,00

Sessão de 10 de Outubro de 2012 – ” Dia de Visita” de Luís Vieira Campos

Na próxima quarta-feira, dia 10 , pelas 22h, o Cineclube do Porto apresenta o filme ” Dia de Visita” de Luís Vieira Campos, no Espaço Compasso ( n.º 111 da Rua da Torrinha, no centro do Porto ).


“Uma visita íntima num estabelecimento prisional. Só isso.”

“Partiu da necessidade de falar de coisas que nos podem limitar. Esse foi o ponto de partida”, contou ao P3 o realizador. Até podia ter sido o tradicional mulher-visita-homem, mas uma visita ao Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo mudou tudo.

Um casal de ex-toxicodependentes apaixonou-se durante a fase de recuperação e está agora separado pelas grades da prisão. Aqui é ela (a actriz Sandra Salomé) quem cumpre uma pena. É ele (o actor Miguel Rubim) o visitante.

A prisão de Santa Cruz do Bispo encontra-se abrangida pela visita íntima, uma regalia alargada a todas as prisões portuguesas (masculinas e femininas) segundo o novo Regulamento Geral dos Estabelecimentos Prisionais, em vigor desde 10 de Junho.

Nesta curta, e na vida real, a visita íntima acontece uma vez por mês. “Dia de Visita” é “um filme sobre a contrariedade, sobre a forma como lidamos com os acontecimentos que não ocorrem de acordo com as nossas expectativas e os nosso desejos”.
A acção decorre ao ritmo do tema “Quem Sabe”, composto por Manuel Cruz – músico que já tinha trabalhado com Luís Vieira Campos na curta “Quando eu Morrer”, de 2006. Manuel Pinto Barros assina a fotografia, ficando o som a cargo de Miguel Santos.
Durante o processo de produção, foram gravados uma série de depoimentos, com as reclusas e técnicos deste estabelecimento prisional.” *

* Os depoimentos serão exibidos após o filme.

Público em geral: €3,00 com oferta de 1 bebida

Estudantes: €2,50 com oferta de 1 bebida

Sócios: €1,00  com oferta de 1 bebida

MAPAS DE CINEMA Visitas Guiadas nos dias 28, 29 e 30 de Setembro

Image
MAPAS DE CINEMA arrancam já no próximo fim-de-semana! Inscreva-se Já!

Os Mapas de Cinema são guias que destacam, no território, pontos de interesse cinematográfico. O projeto Mapas de Cinema consiste, por um lado, na elaboração de um Mapa e, por outro, na organização de Visitas Guiadas por esses locais de interesse cinematográfico.
 
É um projecto do Cineclube do Porto, que arranca com o Mapa do Centro Histórico do Porto. Prolongará, no entanto, pelo território português explorando locais de rodagem, edifícios com importância histórica e outros locais que marquem a história do cinema em Portugal.

 
Dia 28 de Setembro é lançado o primeiro Mapa de Cinema – Centro Histórico do Porto. Este mapa propõe duas rotas que identificam cenas de filmes rodados no Porto, por um lado, e locais ligados à história do cinema na cidade, por outro.a) Rota dos Filmes

b) Rota dos Locais

Financiado pelo Manobras no Porto, este primeiro circuito terá visitas guiadas piloto grartuitas, nas seguintes datas, mas mediante pré-inscrição através dos seguintes contactos:

ccp@cineclubedoporto.pt
Tlm:  91 646 5347 

DATAS

28 SET 


17h00
 Rota de Locais (de rodagem, edifícios com importância histórica e outros que marcam a história do cinema em Portugal)  

Ponto de encontro: MIRADOURO DA SÉ

29 SET

11h00 - Rota de Filmes (percurso por locais do Porto onde foram rodadas cenas de filmes portugueses)

17h00 – Rota de Locais

Ponto de encontro: MIRADOURO DA SÉ30 SET

16h00 – Rota de Filmes

Ponto de encontro: LARGO DOS GRILOS

 

NOTA: Caso as condições metereológicas não o permitam, as visitas serão canceladas. Em caso de dúvida, contacte-nos, por favor, através de 91646547 ou ccp@cineclubedoporto.pt.

Sessão de 29 de Agosto de 2012 – O Manuscrito Perdido de José Barahona

Esta semana, o Cineclube do Porto apresenta o filme ” O Manuscrito Perdido” de José Barahona, ao ar livre no Espaço Compasso ( n.º 111 da Rua da Torrinha, no centro do Porto ).

Pt/Br | 2010 | Dig | 79′

“O “Manuscrito Perdido” é um jogo inteligente e divertido sobre as trocas culturais no vasto mundo da língua portuguesa. Quase uma ficção disfarçada de documentário. Quase um documentário disfarçado de ficção. A jornada que se propôe talvez seja, afinal, uma das soluções, senão a única solução, para o futuro do cinema português: a redescoberta do Brasil pelos portugueses, a redescoberta de Portugal e das Áfricas, pelo Brasil. A possibilidade de um cinema comum.”
José Eduardo Agualusa

Dizem que no Mosteiro de Cairu, uma pequena cidade a sul de Salvador, existe um manuscrito perdido de Fradique Mendes. Fradique foi um poeta e aventureiro português, amigo de Eça de Queiroz, que se instalara na região no final século XIX. Por ter libertado todos os seus escravos, foi odiado e perseguido pelos esclavagistas brasileiros. Na urgência da fuga, terá deixado em Cairu este manuscrito que reflectia sobre as origens da sociedade brasileira e se pronunciava sobre algumas questões sociais da época: os expatriados, a escravatura, e as lutas dos índios. O filme parte em busca do manuscrito e refaz a viagem de Fradique Mendes na sua fuga, visitando alguns lugares que podem hoje fazer luz sobre estas mesmas questões: as comunidades dos descendentes dos escravos africanos, as aldeias indígenas onde Cabral primeiro chegou, e os acampamentos dos sem terra. No fundo grupos sociais que têm em comum algo com mais de 500 anos: a luta pela liberdade através da luta pela posse da terra.
Público em geral: €3,00 com oferta de 1 bebida

Estudantes: €2,50 com oferta de 1 bebida
Sócios: €1,00  com oferta de 1 bebida